A Lua de Mel

A

expressão “Lua de Mel” é uma tradução literal do inglês honeymoon. Há diversas versões na história sobre como se originou a lua de mel. Uma delas afirma que entre os povos germânicos, era costume casar na lua nova, e os noivos levavam uma mistura de água e mel, denominada hidromel, para beber ao luar. A que remonta mais a antiguidade é de dois mil anos antes de Cristo, na Babilônia, o pai da noiva oferecia ao genro hidromel, para ser consumido nos 29 dias (um ciclo lunar completo) imediatos ao casamento, quando os noivos comemoravam, só entre eles, a união matrimonial.

Na época, a contagem dos dias era feita pelo calendário lunar, razão pela qual esse período de comemoração ficou conhecido como “lua de mel”.​ Na cultura ocidental, o costume de recém-casados saírem de férias juntos originou-se no início do século XIX na Grã-Bretanha, um conceito emprestado da elite indiana, no subcontinente indiano. Casais da alta classe teriam um “tur de noiva”, por vezes acompanhados por amigos ou familiares, para visitarem parentes que não puderam comparecer ao casamento. A prática logo se espalhou ao continente europeu e era conhecido como voyage à la façon anglaise (viagem em estilo Inglês) na França a partir da década de 1820.

Lua de mel no sentido moderno (ou seja, uma simples viagem de férias empreendida pelo casal) generalizou-se durante a Belle Époque, como um dos primeiros exemplos de turismo de massa moderno. Isso aconteceu apesar da desaprovação inicial por um parecer médico contemporâneo (que se preocupou com a saúde frágil das mulheres) e por guias savoir vivre (que lamentou a atenção do público atraído pelo que foi assumida como a iniciação sexual da mulher). Os destinos de lua de mel mais populares na época eram a Riviera Francesa e Itália, em particular os seus balneários e cidades românticas como Roma, Verona e Veneza.

Normalmente a lua de mel começaria na noite em que eram casados, com o casal saindo no meio da recepção para pegar um trem ou navio atrasado. Entanto, no século XXI, muitos casais não saem até 1 a 3 dias após a cerimônia e recepção, a fim de “amarrar as pontas soltas” no local de recepção ou simplesmente desfrutar da recepção em sua plenitude e ter pelo menos uma noite relaxante, para se recuperar, antes de empreender uma longa viagem.