Porque a bebida mais antiga do mundo está em ascensão novamente?

Porque a bebida mais antiga do mundo está em ascensão novamente?

11 da manhã de uma quarta-feira não grita exatamente “hora de beber”, mas os clientes já estão esperando ao lado de fora da All Wise Meadery, em Williamsburg. Um cabelo loiro desgrenhado sai pela porta. “Desculpe caras, estamos fechados!”, Ele diz. “Mas volte mais tarde, ok?”

Seus olhos se arregalam e, apesar da decepção, sorriem. Eles têm a metade do seu objetivo alcançado: um vislumbre de Dylan Sprouse.

Há alguns meses, a antiga estrela do Disney Channel e dois amigos abriram o All Wise no mesmo complexo do William Vale Hotel. A empresa tem recebido muita atenção – em parte por causa de quem Sprouse é, mas também porque, uh, hidromel? Aquela bebida de séculos atrás?

Você acha que pode ser estranho ver a antiga estrela do The Suite Life de Zack & Cody andando em torno de tonéis e mexendo com garrafas. Mas ele está tão à vontade que de repente você não pode imaginá-lo em nenhum outro lugar do mundo.

Sprouse começou a fazer hidromel quando era adolescente, em parte porque seu rosto era reconhecível demais para entrar em qualquer lugar. “Como qualquer outro garoto de 16 anos, eu queria beber com meus amigos. Nós não poderíamos ir ao 7/11 e conseguir alguma pessoa mais velha para comprar bebida, então eu decidi que nós podemos muito bem fazê-la ”, diz ele. Mas, por que hidromel? “Porque é muito mais fácil do que cerveja.”

Então ele montou uma loja na garagem de seus pais. Seu primeiro lote tinha muito açúcar, e ele admite que foi “nojento, nojento”. Mas Sprouse ficou viciado – tanto na hora de fazer a bebida quanto em aprender sua história. Ele pode aprendeu sobre seus laços escandinavos, leis feudais sobre o mel e os efeitos do Império Romano. Claro, ele perdeu mais alguns lotes, como um lote de hidromel de alho que ele se refere carinhosamente como “Stinky Boi” (ele ainda o defende dizendo que “se derramar sobre frango, é fodidamente delicioso”). Eventualmente, porém, ele aperfeiçoou sua própria receita e agora sua própria marca.

Conforme cresceu, Sprouse diz que se tornou um ator mais seletivo. O que era bom, porque ele só estava aceitando os trabalhos que queria. Mas ele também estava entediado. Então ele pensou, por que não fazer essa coisa de hidromel em tempo integral? Com a orientação do famoso restaurateur de Nova York Andrew Carmellini, ele abriu o All Wise em parceria com seus dois amigos, Doug Brochu e Matt Kwan. Agora, ele se encontrou como o famoso rosto do movimento do hidromel.

Servindo hidromel em All Wise em Williamsburg.
Foto: Katie June Burton / Cortesia do All-Wise Mead

Você seria perdoado se não soubesse exatamente o que era hidromel. Quando eu coloquei minhas mãos em uma garrafa, eu nem sabia como beber. “Você serve hidromel, temperatura ambiente ou quente?” -Perguntei aos meus colegas de trabalho. Todos eles encolheram os ombros.

Hidromel, muitas vezes chamado de vinho mel, não tem uma definição exata ou receita. “Você verá que este é um ponto bastante debatido”, diz Fred Minnick, autor de Mead: The Libations, Legends e Lore of History’s Oldest Drink. Mas todos os hidromeis têm três ingredientes principais: mel, água e fermento. “Eu realmente trabalho em torno da noção de que o hidromel vem de pelo menos 51% de mel”, acrescenta Minnick. A partir daí frutas, especiarias – e no caso de Sprouse, alho – podem ser misturados. O Hidromel pode ser leve, rico, doce, seco ou salgado.

E de repente, está em todo lugar. Somente em Nova York, há a Enlightenment Wines, também no Brooklyn, inaugurada em 2009, e seu restaurante parceiro, Honey’s, inaugurado em 2016. No Hudson Valley, a Salt Point Meadery foi inaugurada em 2017. A American Mead Makers Association (AMMA) diz que agora há 500 lojas nos Estados Unidos, com uma nova abertura a cada três dias em média.

“Acho que o hidromel está voltando por causa da ascensão da indústria de bebidas artesanais. Você vê cervejarias, destiladores e casas de sidra abrindo-se por todo o país. O hidromel é um produto inexplorado que tem potencial de crescimento ”, diz Douglass Miller, professor da Escola de Hotéis da Universidade de Cornell, à Vogue.

Muitas outras bebidas como o gin, o mezcal e a cerveja viram um renascimento graças a um novo foco na culinária diversificada e dinâmica. Mas com o hidromel, há uma diferença fundamental: enquanto outras bebidas entraram e saíram de moda ao longo das décadas, o hidromel não era popular no mundo ocidental. . . literalmente à centenas de anos.

Muito tempo atrás, estava em toda parte. Acredita-se que o Hidromel seja o mais antigo das bebidas, cujas origens remontam à província chinesa de Henan no sétimo milênio a.c. (Acredita-se que o primeiro lote de hidromel foi criado quando a chuva caiu em um pote de mel.) Praticamente toda cultura antiga o bebeu até certo ponto: os gregos, os romanos, os vikings, os russos, os poloneses, os etíopes (tej, um tipo de vinho de mel, ainda é a bebida nacional na Etiópia). Há referências a isso na Bíblia, em Chaucer, em Aristóteles, em Beowulf.

Este também é responsável pelo termo “lua de mel”: servido em excesso nos casamentos, os recém-casados ​​costumavam beber durante todo um ciclo lunar (um mês) depois da cerimônia de casamento, na esperança de que uma criança nasceria nove meses depois.

Por que caiu em desgraça? Havia algumas novas leis tributárias, bem como uma maior disponibilidade de açúcar das Índias Ocidentais no século XVII, que tornava o mel mais difícil e menos necessário de ser obtido. Mas também foi o surgimento de outras bebidas – cerveja e vinho – que realmente fizeram isso.

“O hidromel parece cair quando as demais bebidas se tornaram mais amplamente disponíveis, por isso estamos olhando para um período entre os anos 1700 e 1800. Hidromel era difícil de fazer, especialmente em 1700, quando você não tinha o equipamento para obter mel”, diz Minnick. “Vamos lembrar que as abelhas protegem suas colmeias e elas vão acabar com você se você não as estiver fumegando e vestindo a roupa apropriada”.

Como a agricultura em geral, a fabricação de mel desde então se modernizou, facilitando a distribuição para as lojas. E como consumidores curiosos procuram por novas bebidas para experimentar, parece que o hidromel oferecerá uma opção infinitamente variada. Mas terá poder de permanência? “O desafio que a indústria de hidromel terá, é colocar seus produtos nas mãos de um consumidor em um mercado já lotado”, diz Miller. Afinal, há dez vezes mais cervejarias nos EUA do que hidromelarias. Ainda assim, mais de 100 novas hidromelarias estão em obras, informa a AMMA.

Embora os “mazers” talvez nunca consigam atingir tanta gente como os produtores de cerveja, eles parecem dispostos a criar um nicho duradouro para os muitos sabores de sua bebida – bem, exceto talvez para o Stinky Boi.

Fonte: https://www.vogue.com/article/why-mead-is-popular-again

Tradução Livre

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *